My default image

Sistemas Agroflorestais: O que são e o que devemos saber

Primeiramente, sistemas agroflorestais são aqueles em que uma mesma área, de forma sistêmica, combina diversos tipos de elementos. Ou seja, nesse local, se cultivam árvores que podem ter várias funções, como frutíferas, de lenha, recuperadoras de solo, atrativas de pássaros, entre outras.

Soma-se essas árvores ao cultivo de espécies, como o milho, o arroz, a mandioca, o feijão ou as hortaliças, assim como a presença e criação de animais.

Por isso, caso tudo isso ocorra em uma mesma área em um determinado tempo, estamos lidando com sistemas agroflorestais.

Aqui na Culte, mais do que conteúdos informativos, temos financiamento pessoal disponível com a finalidade de ajudar os pequenos agricultores a cultivar e a vender mais. Entre em nosso site e veja os nossos serviços financeiros disponíveis para lhe auxiliar.

My default image

Elementos pertencentes aos Sistemas Agroflorestais

Elementos perenes: correspondem às espécies de árvores ou arbustos que podem ser frutíferos, madeiráveis ou adubadores. De fato, a sua importância se dá pela capacidade de capturar nutrientes mais profundos do solo, de forma que tem efeitos visíveis a médio e longo prazo.

Dessa forma, os elementos semi-perenes: neste caso, diz respeito a quaisquer espécies que permanecem no sistema por dois a três anos, sendo implantadas no início do sistema. Dessa forma, geram renda a curto e médio prazo, devido ao seu ciclo curto. Por certo, normalmente formado por componentes agrícolas.

Elemento eventual: por fim, quando temos algum componente animal, chamamos essa criação de elemento eventual, que age para diversificar o tipo de renda, de acordo com o animal e a sua serventia.

Sistemas Agroflorestais e seus Arranjos

As nomenclaturas não param por aí!

Existem vários arranjos que podem ser possíveis, como por exemplo, sistemas que podem se aproximar ecologicamente de uma vegetação nativa através da sucessão natural, ou seja, reestabelecendo processos ecológicos importantes.

Dessa forma, seriam esses processos: a ciclagem de nutrientes, atração de fauna, fixação de carbono dentre outros até sistemas mais simplificados.

De fato, já esses sistemas simplificados (também conhecidos como policultivos) atuam da seguinte forma: existe alguma espécie, que é a principal, e cultivos anuais intercalados. Esse sistema torna-se interessante pelo ponto de vista da agricultura familiar porque lida com diversidade de espécies, ou seja, entrega produtos e rendas diferentes ao longo do ano.

Os sistemas agroflorestais são organizados em arranjos e eles podem ser:

  • Agrossilvicultural: O arranjo realizado com cultivos de plantas anuais e árvores.
  • Agrossilvipastoril: O arranjo que ocorre com a presença de árvores, com cultivos de plantas e a presença de animais.
  • Silvipastoril: Neste sistema, o arranjo tem a presença de pastagens e animais consorciados com as árvores.

Vantagens do Sistema Agroflorestal

Conforme citamos acima, muitas vantagens aguardam o produtor que optar por esse tipo de sistema, como por exemplo:

  • Menor risco de perdas de cultivos solitários, como é o caso das monoculturas;
  • As plantas alcançam a função de quebra-vento umas das outras;
  • Há uma menor probabilidade de ataques de doenças e insetos prejudiciais, devido a uma maior diversidade de plantas;
  • Aumento na matéria orgânica do solo;
  • Maior manutenção da água no sistema;
  • Ocorre a produção o ano todo, mantendo uma renda mais estável.

Leia também: Selo Nacional de Agricultura Familiar: Vitrine de vendas

Análise prévia para produção de Sistemas Agroflorestais

Montar sistemas agroflorestais com certeza não é fácil, e por essa razão deve haver um planejamento completo que visa identificar previamente todas as dificuldades que o produtor possa encontrar. Dessa forma, o produtor deve se atentar para os seguintes fatores:

  • SOLO – identificar quais são limitações químicas, físicas e histórico de uso;
  • CLIMA – observar as temperaturas mínimas e máximas, precipitação, período de estiagem e distribuição das chuvas;
  • MERCADO – fazer a análise para conhecer e avaliar o mercado consumidor / comprador da produção e o mercado fornecedor de insumos, serviços e todos os colaboradores para aquela situação;
  • ESPÉCIES – uma seleção rigorosa deve ser feita com a finalidade de identificar qual a melhor cultura para o local, para isso, o produtor deve utilizar materiais com resistência/tolerância a pragas e doenças e adaptadas ao solo e clima local;
  • ARRANJOS – deve-se valorizar o conhecimento acumulado, ou seja, consórcios conhecidos pela cultura local;
  • OPERACIONAL – avaliar a infraestrutura existente na propriedade, a capacidade logística e gerencial, principalmente a assistência técnica;
  • OBJETIVO DO PRODUTOR – qual ou quais são os objetivos? Produtos e/ou serviços?
  • CUSTOS – financeiros e recursos humanos como por exemplo mão de obra e gastos com insumos;
  • CALENDÁRIO DE ATIVIDADES – de forma a identificar o que será feito e quando;
  • ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO – se houver necessidade;
  • LEGISLAÇÃO AMBIENTAL – Atenção à legislação que incide sobre APPs, ARLs e o Bioma em que a propriedade está inserida.

My default image

Exemplos de espécies florestais perenes:

  • Açaí BRS Pará
  • Cupuaçu
  • Castanheira
  • Seringueira
  • Mogno Africano
  • Cacau
  • Espécie Semi-Perene
  • Banana BRS Tropical
  • Feijão guandu
  • Culturas de Ciclo Curto
  • Batata-doce
  • Abóbora
  • Feijão de Porco
  • Feijão Carioquinha
  • Feijáo Caupi

Leia Também: Agricultura Familiar: como preparar o setor para o futuro?

Por que é uma boa ideia implantar Sistemas Agroflorestais?

Em resumo, os sistemas agroflorestais tentam similar o que acontece em ambientes de florestas naturais. Sabemos que esses ambientes formados de acordo com a vontade da natureza não têm problemas com desequilíbrio, surtos de doenças, ataques de insetos nocivos o bastante para desequilibrar a floresta.

De fato, aquele próprio ecossistema é responsável por sua adubação, em um ciclo chamado sucessão natural, onde o velho morre para o novo nascer.

Dessa forma, ao criar sistemas agroflorestais, introduzimos diversas matérias diferentes com a finalidade de criar um ecossistema o mais próximo do natural possível.

Por fim, nós somos a Culte. Mais que um banco, um parceiro do produtor rural para que ele possa desempenhar suas atividades no campo. Com o intuito de valorizar a agricultura familiar, temos soluções financeiras para esse nicho. Entre em nosso site e descubra quais serviços oferecidos podem te ajudar!

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

My default image