Criptomoedas: Conheça os principais termos técnicos

Além de novas formas de se relacionar com finanças, o surgimento das moedas digitais também trouxe vários novos termos técnicos das criptomoedas. De fato, pela natureza global dessa moeda, muitos desses termos são usados em inglês ou, apenas, de um jeito muito incomum para quem ainda não entende o contexto. 

Mas não precisa se preocupar: a Culte, além de ser uma parceria para toda hora, também vai ajudar você a entender mais sobre o mundo das criptomoedas. 

My default image

Dicionário completo dos termos técnicos das criptomoedas

Portanto, por mais difícil que algumas dessas palavras possam parecer, com o tempo elas vão sendo incorporadas ao nosso cotidiano. Mas, para isso, é importante entendê-las antes. 

Confira, então, os principais termos técnicos relacionados às criptomoedas em ordem alfabética, assim como suas traduções e significados  

Altcoin (Moedas alternativas)

Dessa forma, todas as criptomoedas criadas após a primeira (e mais famosa) moeda digital, o Bitcoin, são conhecidas como “Altcoin”. São exemplos a Ethereum, Litecoin e a Cultecoin, a moeda da Culte.  

Arbitragem

Estratégia em que uma pessoa compra uma criptomoeda de uma exchange (corretora) por um preço baixo e vende a moeda em outra exchange que está com um preço mais alto. 

AML

Sigla de “Anti-Money Laundering”, ou “Anti-Lavagem de Dinheiro”, em português. Essa é uma técnica usada para evitar a lavagem de dinheiro através das criptomoedas, aceitando apenas transferências bancárias feitas pelo titular da conta. No Brasil, esse tipo de cuidado já é muito comum. 

ATH

Significa, em inglês, “All Time High”, ou seja, o preço mais alto que uma criptomoeda específica já atingiu.

ATM

“Automated Teller Machine” é o nome em inglês do que chamamos “caixa eletrônico”. Para as criptomoedas, os ATMs são os equipamentos onde os usuários podem comprar ou vender criptomoedas com dinheiro físico ou cartões.

Ativos digitais

Ativos são os bens que têm valor de mercado. Sendo assim, na área digital, são representados pelas criptomoedas ou tokens. 

Assinatura múltipla (multi-sig) 

Este recurso existe para que uma criptomoeda possa ter uso apenas se um grupo de pessoas autorizar essa transação. Assim, é necessário ter o consentimento de todos os membros responsáveis pela carteira. 

Baleia

Termo que define as pessoas que possuem tantas criptomoedas que, por isso, podem influenciar o preço do mercado caso decidam movimentar suas moedas. 

Bear (urso)

É o investidor que aposta na queda do mercado. Dessa forma, a expressão “Bear Market” representa um mercado (e seus preços) em queda, afinal, quedas são o interesse dos ursos. 

Grosseiro

Quando os gráficos do mercado têm uma queda agressiva, quase como uma patada de urso: descida grande e leve subida.

Bid (Oferta)

É como se chama a oferta de um comprador, e geralmente é o mais alto que este quer pagar em um ativo ou mercadoria. 

Bitcoin

A palavra Bitcoin (com “B” maiúsculo), é o nome da primeira criptomoeda do mundo, criada em 2008 por Satoshi Nakamoto. Ela é completamente virtual, descentralizada e anônima.

Já o nome grafado com um “b” minúsculo significa a unidade do Bitcoin, cuja menor divisão (0.00000001btc) se chama satoshi, em alusão ao seu criador.

Blockchain

Conforme já contamos em um artigo específico sobre blockchain, o termo técnico se relaciona às criptomoedas pois é essa a tecnologia que permite com que as transações dessas moedas tenha segurança.

A palavra é traduzida como “cadeia de blocos” pois, em resumo, o blockchain é um grande banco de dados em formato de rede. Esses blocos de dados registram todas as informações sobre as criptomoedas de forma descentralizada e, ao mesmo tempo, criptografada. O formato de rede deve-se ao fato de que o blockchain funciona utilizando computadores potentes ao redor do mundo, cada qual registrando apenas uma parte dos dados, protegendo, assim, todas as informações.

Esse tipo de registro é, portanto, uma das partes mais importantes do processo. Por outro lado, é necessário tanto poder computacional que é preciso recompensar mineradores para que os dados sejam organizados.

Touro

O termo “bull”, que se traduz “touro” para o português, é o oposto do bear (urso): o bull é a pessoa que aposta na alta do mercado. Sendo assim, o bull market é aquele em que os preços estão em alta. 

Otimista

Tal qual a expressão “bearish”, a bullish também significa um movimento agressivo dos gráficos de mercado. Todavia, neste caso, ela representa uma subida grande e pequena descida. 

Castiçal

Candlestick é uma técnica de análise de gráficos do preço de um ativo. Esse nome tem tradução em português como “candelabro” e deriva da semelhança dos gráficos à chama de uma vela (ou várias), com representações de altas e baixas dos preços. 

Carteira (Wallet)

Assim como aquela que você põe no bolso, uma carteira de moedas digitais é uma plataforma segura que também é o lugar onde as moedas ficam guardadas. 

Chave privada

Tipo de “senha” para que o usuário acesse suas criptomoedas. A diferença é que ela é formada por vários caracteres e números e deve ser armazenada localmente, porque é a única forma de acesso aos ativos. 

Chave pública

É o “localizador” da sua conta, comparável ao número da conta bancária. 

Carteira fria

A tradução literal é “carteira fria” mas, na prática, é uma carteira offline. Isto é, não usa conexão com a internet para armazenar criptomoedas. Dessa forma, a carteira tem uma proteção extra contra acessos indevidos e ataques virtuais. 

Contrato inteligente (Smart Contract)

É um protocolo de computador que torna as negociações mais seguras, excluindo a necessidade de um intermediário.

Criptografia

Criptografia é um termo técnico relevante para as criptomoedas porque nada mais é que escrever em códigos. Essa é uma tecnologia importante em tudo relacionado ao universo das moedas digitais, já que é o que impede que as partes não relacionadas àquela informação consiga decifrá-la. 

Criptomoedas

Conforme contamos no nosso artigo anterior, “criptomoeda” é o nome das moedas digitais. Elas também possuem poder de mercado e usam criptografia para proteger cada transação. 

Day Trader

A tradução do termo é “transação diária”, o que representa aquele usuário que compra e vende seus ativos rapidamente. A ideia de um Day Trader é ter lucros rapidamente e, por isso, é um trabalho para investidores que se arriscam mais.  

Jogar fora

Chama-se assim o momento em que o preço de um ativo cai de repente. É o oposto de “pump”. 

Ether / Ethereum

Ethereum é uma criptomoeda criada em 2014 por Vitalik Buterin. Cada unidade da moeda se chama “Ether” e sua sigla (ou ticker) é “ETH”. 

Troca

As exchanges são corretoras de moedas e outros ativos. Em inglês, a palavra significa “troca”, indicando a função real dessas plataformas: trocar criptomoedas por dinheiro Fiat (real, não digital) e vice-versa. Além disso, as exchanges também permitem a troca de uma moeda digital por outra. 

Taxa

É um modo de se referir em inglês às taxas de todos os tipos relacionadas às transações. 

Fiat

Outro termo técnico das criptomoedas é “fiat”. Em resumo, todo dinheiro que não é uma criptomoeda é “fiat”, ou seja, dinheiro fiduciário, que tem sua versão “real”… Assim como o Real, o Dólar, Euro, Peso, etc. 

FOMO

Acrônimo para “Fear of missing out”, essa expressão significa “medo de perder”. Apesar de não ser um termo apenas relacionado às criptomoedas, as discussões sobre moedas incluem muito o medo de perder uma oportunidade.

Forquilha

Forks são atualizações das regras ou do código de uma criptomoeda. Todavia, isso pode criar uma nova moeda a partir da modificação, num processo chamado “hard fork”. A tradução literal do termo se traduz para “forquilha” ou “garfo”.  

FUD (Fear, Uncertainty and Doubt ou Medo, incerteza e dúvida)

Quando o mercado está incerto ou muito parado, investidores passam por esse sentimento e, entre os fóruns de discussão sobre criptomoedas, essa sigla é bastante utilizada como alerta. 

Full Node (Nó completo)

Os full nodes, ou full validating nodes (nós de validação total) são programas de computador que mantêm as redes de criptomoedas funcionando. Eles verificam se as regras estão sendo cumpridas. Essa é, também, uma das funções de todo minerador, apesar de alguns full nodes não serem mineradores. 

Gasto duplo

É a tentativa de gastar duas vezes a mesma moeda. Esta é uma das preocupações de sistemas de criptomoedas e, por isso, os mineradores vieram como uma forma de impedir esse processo, verificando cada informação antes de liberá-la. 

Reduzindo pela metade

Mais ou menos de 4 em 4 anos (ou a cada 210 mil novos blocos numa blockchain), a recompensa por blocos minerados passa por uma redução de 50%. Assim, as moedas têm emissão controlada, uma vez que os mineradores que podem ter prejuízos com essa redução se retirem do mercado. No final, apenas os mais eficientes e que conseguem minerar melhor continuam, mas a velocidade da emissão é reduzida. 

Garfo duro

Acontece quando o fork rompe com as antigas regras. A mudança é tanta que outra criptomoeda independente pode surgir a partir daí. 

Cerquilha

Esta é uma função que resume as transações em um bloco e converte textos em um conjunto de caracteres (letras e números) para, por exemplo, criptografar dados ou organizar informações. É uma impressão única de um bloco no blockchain. 

Além disso, o número de hashes que um minerador processa se chama hash rate ou hashrate. Esse é um dado que avalia o poder do computador (hashpower). 

Hodler

Esse termo se consolidou nas comunidades de criptomoedas, mas partiu de um erro de digitação: em vez de “hold”, que significa segurar em inglês, um usuário escrever HODL. Com o tempo, a comunidade transformou-a em um acrônimo para “Hold On for Dear Life”, algo como “segure pela sua vida”. No fim das contas, um hodler é alguém que não vende ou se desfaz de suas moedas de modo algum. 

Carteira Quente

O oposto da “cold wallet”, hot wallet é a carteira online e conectada à internet. 

ICO

É uma sigla para “Initial Coin Offering”, ou oferta inicial de moeda, em português. Na prática, funciona como uma pré-venda da criptomoeda, antes de ser lançada para todo o público. Esse processo também serve para arrecadar fundos para o projeto. 

Funciona, afinal, como uma IPO (“Inicial Public Offering” ou oferta inicial pública) em um mercado de ações tradicionais. 

Entrada

É como se chama o endereço de origem de uma transação de criptomoeda, do lado oposto ao output, o endereço de destino. A mesma transação pode ter vários inputs. 

Lastro

Assim se chama o ativo que é posto como garantia para um outro ativo (ou bem financeiro). Ou seja, ele empresta mais valor a um outro ativo.

Livro razão (Distributed ledger)

Em contabilidade, este é o livro onde são anotados todos os registros contábeis. É exatamente assim que funciona o blockchain, de forma descentralizada. 

Criador

A pessoa que faz uma ordem que não é negociada de imediato é um maker (que se traduz para “criador”). Assim, tal ordem fica registrada no livro (book) de ofertas e aguarda até que outra pessoa envie outra ordem contrária (ou seja, de compra ou venda, dependendo da ordem inicial) para haver negociação. 

Valor de mercado

Em português, a tradução do termo é capitalização de mercado, que define a quantidade de criptomoedas em circulação de acordo com a cotação dessa moeda.

Mineração/Minerador

O termo técnico de mineração designa, ao mesmo tempo, o mecanismo que valida cada transação feita dentro de um blockchain e o que cria as criptomoedas. Isso se dá porque cada moeda surge como recompensa pelo trabalho de verificação, confirmação e publicação das transações. 

O funcionamento se dá com computadores muito potentes, realizando cálculos matemáticos muito complexos, para organizar as informações codificadas. Como o processo exige muito dos computadore, mineradores (agentes da mineração) são recompensados com moedas. Dessa forma, é mantida a segura e o movimento do mercado.

Nós (Nodes)

Os nós são os computadores usados para a mineração da rede blockchain e que mantêm a cadeia funcional após terem baixado e instalado o software (programa) de uma moeda digital. 

Saída

Do lado oposto do input estão os outputs, que são o endereço destino de uma transação de criptomoedas. Essa transação pode ter um ou mais outputs.

Open Protocol (Protocolo aberto)

Os protocolos (ou normas reguladoras) das criptomoedas são sempre abertos publicamente. Isso faz com que seja possível que qualquer pessoa possa ler o código e sugerir mudanças para melhorá-lo, caso toda a rede permita. 

P2P (ou peer to peer)

P2P simboliza “peer-to-peer”, que pode ter como tradução “ponto-a-ponto” ou “de igual para igual”. Traduzindo assim fica mais fácil entender que o projeto das criptomoedas é feito para não precisar de intermediários. Ou seja, as negociações são feitas entre dois indivíduos, de forma descentralizada e mais livre.

Carteira de Papel

Em resumo, uma carteira de papel (tradução para “paper wallet”) é uma impressão em papel com as chaves públicas e privadas de uma criptomoeda. Em geral, essas impressões podem ser em códigos QR junto com a transcrição alfanumérica. 

Phishing

O Phishing é uma forma de aplicar golpes ou provocar fraudes. A ideia central é o aplicador do golpe fingir ser uma empresa e, assim, capturar os dados sigilosos dos clientes através de e-mails, por exemplo, pedindo que cliquem em links para atualizar a conta de alguma forma. Outra forma utilizada é a criação de sites falsos parecidos com aqueles nos quais você confia para, na sua tentativa de login, gravar suas informações. 

Proof of Work ou PoW

A tradução do termo técnico é “prova de trabalho ou funcionamento”, ou seja, um protocolo para provar que a sua transação com as criptomoedas funcionou como deveria. É a tal verificação que os mineradores fazem! Esse é apenas um dos tipos de mineração, pois ainda existem:

  • Proof of Capacity, PoC (ou prova de capacidade): essa categoria usa espaço do HD do computador para provar a capacidade de um computador. Isso é importante porque, assim, mineradores que têm mais espaço sobrando têm maior probabilidade de criar o próximo bloco de blockchain disponível e, assim, ter novas recompensas.
  • Proof of Stake, PoS (ou prova de participação): já esse tipo de mineração não exige o computador mais potente para ganhar um bloco da cadeia. Isso porque um sorteio aleatório distribui tais blocos para quem estiver disponível para participar. As chances de ganhar o sorteio, porém, são maiores para aqueles que possuem mais criptomoedas.

Pool (Piscina de mineração)

Quando um grupo de mineradores usam juntos o poder de seus computadores, formam uma piscina. O objetivo disso é resolver mais rápido os cálculos e receber as moedas como recompensa. As piscinas também são os pontos que mais geram criptomoedas, já que representam mais poder somado.  

Preço Ask

O preço Ask é o preço mínimo que os indivíduos impõem para a venda ou a compra de um ativo. 

Lucro

Traduzindo literalmente, profit quer dizer “lucro”. 

Bombear

Oposto a “dump”, pump acontece quando o preço de um ativo sobe muito de repente.

My default image

QR Code ou Código QR

É um tipo de código de barras, porém em formato bidimensional. É representado de forma quadrada e pode, após ser lido e decodificado por aparelhos ou programas, pode se converter em texto, link, número, localização de GPS, etc.. O QR Code entra entre os termos técnicos mais comuns por causa de seu uso para chaves de criptomoedas por ser fácil de escanear até mesmo com um celular com câmera. 

Scamcoin

Moeda alternativa (altcoin) criada para dar golpes nos seus usuários. Essas moedas, nas comunidades relacionadas às criptomoedas, são chamadas de “shitcoins”, que são aquelas com uma reputação ruim. 

Espalhar 

É a extensão da diferença entre os preços para comprar e para vender no livro de ofertas.

Stablecoin

Uma stablecoin é, como a tradução dá a entender, uma moeda estável. Em geral, são projetadas para que o preço se mantenha dessa forma, sem grandes variações. 

Swingtrader

No dicionário de criptomoedas, o Swingtrader é o contrário do Day Trader, pois faz menos operações. Estas levam alguns dias, e se baseiam principalmente nas ondas e movimentos (swings) do mercado. 

Tomador

De forma diferente do Maker, o Taker é o investidor que encontra atendimento de imediato quando produz uma ordem, pois encontra outra contrária (venda x compra, trocas) mais facilmente. 

Tempo de confirmação

Assim se chama o tempo que passa desde o momento em que uma transação de blockchain segue para a rede, é avaliada e organizada por mineradores e depois tem seu registro em um bloco de uma cadeia. Em resumo, é o tempo de espera para que sua transação tenha confirmação em um bloco. 

Ticker

O nome vem das máquinas das bolsas de valores que mostram os preços e as siglas (ticker symbols) das ações ao lado. O termo técnico Ticker, para as criptomoedas, são os símbolos, por exemplo: BTC (Bitcoin), ETH (Ethereum), LTC (Litecoin).

Símbolo

De acordo com o que já mostramos no nosso artigo sobre tokenização, os tokens são um tipo de certificado do valor de um ativo, digital ou real. 

A maior diferença entre estes e as criptomoedas é que estas são criadas para serem, claro, moedas. Um dinheiro de verdade, como o Real e o Dólar. Por sua vez, os tokens podem ser comparados com ações de uma empresa. 

TXID ou transaction ID

Este termo técnico designa a “identidade de transação” realizada com uma criptomoeda. A TXID também se chama “hash de transação” e é, afinal, uma forma de identificar esse processo dentro de uma blockchain, como um recibo. 

Cancelamento

É traduzido como o saque, a retirada de algum valor. 

Papel branco

Um white-paper é um documento criado para apresentar um conceito ou ideia elaborado por um desenvolvedor. Um exemplo é o white-paper explicativo da Cultecoin, que pode ser encontrado aqui

51% Attack (Ataque de 51%)

Se uma pessoa ou grupo tem mais de 51% do poder dos computadores de uma rede, o termo técnico correto é “ataque de 51%”. Esse movimento pode significar a tomada de controle de uma blockchain para, por exemplo, um ataque hacker. Tal poder significa que é possível alterar transações de criptomoedas. 

My default image

O que mais falta para você saber sobre os termos técnicos das criptomoedas?

Nós já apresentamos a você todas as oportunidades que a tecnologia blockchain traz para o agro. Agora, depois deste dicionário completo de todos os principais termos e palavras relacionadas a criptomoedas e blockchains, talvez o melhor passo seja conhecer mais as oportunidades de uma moeda digital de verdade. 

A Cultecoin, criada e desenvolvida pela Culte, é uma moeda que tem a intenção de revolucionar o mercado da agropecuária no Brasil, reduzindo barreiras e dando mais oportunidade de negócios. Conheça mais sobre a criptomoeda do agronegócio nesta plataforma

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.